Futucando Notícias

Queda no preço dos alimentos contribui para deflação de 0,04% em setembro

Dez dos 16 locais pesquisados pelo IBGE registraram deflação em setembro
Queda no preço dos alimentos contribui para deflação de 0,04% em setembro
divulgação

Queda no preço dos alimentos contribui para deflação de 0,04% em setembro

por Diego Garcia | Folhapress

O mês de setembro registrou deflação de 0,04% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). É o menor resultado para este mês desde 1998, divulgou nesta quarta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O principal fator que contribuiu para a deflação foi o grupo alimentação e bebidas (-0,43%), de acordo com o IBGE. O item caiu pelo segundo mês seguido e viu a alimentação no domicílio ter queda de 0,70% nos preços. O tomate (-16,17%), a batata-inglesa (-8,42%), a cebola (-9,89%) e as frutas (-1,79%) foram registros que contribuíram para a variação negativa.

Dez dos 16 locais pesquisados pelo IBGE registraram deflação em setembro. O principal deles foi São Luís, com -0,22%, principalmente devido à queda da energia elétrica, que chegou a -6,97%. Goiânia, por sua vez, teve a maior variação positiva: 0,41%. De acordo com o IBGE, a inflação na capital de Goiás se deu por causa da alta no preço da gasolina, que chegou a 2,80%.

No acumulado de 2019, o IPCA chegou a 2,49%.  Nos últimos 12 meses, ficou em 2,89%. Essa também foi a primeira deflação desde novembro do ano passado, quando o país registrou -0,21%. O recuo no preço dos alimentos já havia refletido no registro de agosto, segundo o gerente do IPCA, Pedro Kislanov. "Já tinha apresentado queda de -0,35%, que se intensificou para -0,43%", disse.

Na ocasião, tomate (-24,49%), batata inglesa (-9,11%), e verduras e hortaliças (-6,53%) tiveram significativas reduções nos preços. "Alimentação no domicílio, que caiu pelo quinto mês consecutivo", afirmou Pedro Kislanov. Outro fator que contribuiu para a deflação foram os preços dos eletrodomésticos e equipamentos, com redução de -2,26%. Assim, o item artigos de residência (-0,76%) contribuiu com -0,03 pontos percentuais no índice do mês.

Outro grupo que apresentou deflação foi comunicação, com -0,01%. Já a energia elétrica, que tem grande peso no item habitação e tinha aumentado 3,85% em agosto, por conta da mudança da bandeira de amarela para vermelha patamar 1, permaneceu estável em setembro. Transportes também demonstrou estabilidade, com aumento nos combustíveis de 0,12%, puxado pelas altas no óleo diesel (2,56%) e etanol (0,46%), indo em sentido contrário à ligeira queda na gasolina (0,04%).

OUVIR NOTÍCIA

O mês de setembro registrou deflação de 0,04% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). É o menor resultado para este mês desde 1998, divulgou nesta quarta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O principal fator que contribuiu para a deflação foi o grupo alimentação e bebidas (-0,43%), de acordo com o IBGE. O item caiu pelo segundo mês seguido e viu a alimentação no domicílio ter queda de 0,70% nos preços. O tomate (-16,17%), a batata-inglesa (-8,42%), a cebola (-9,89%) e as frutas (-1,79%) foram registros que contribuíram para a variação negativa.

Dez dos 16 locais pesquisados pelo IBGE registraram deflação em setembro. O principal deles foi São Luís, com -0,22%, principalmente devido à queda da energia elétrica, que chegou a -6,97%. Goiânia, por sua vez, teve a maior variação positiva: 0,41%. De acordo com o IBGE, a inflação na capital de Goiás se deu por causa da alta no preço da gasolina, que chegou a 2,80%.

No acumulado de 2019, o IPCA chegou a 2,49%.  Nos últimos 12 meses, ficou em 2,89%. Essa também foi a primeira deflação desde novembro do ano passado, quando o país registrou -0,21%. O recuo no preço dos alimentos já havia refletido no registro de agosto, segundo o gerente do IPCA, Pedro Kislanov. "Já tinha apresentado queda de -0,35%, que se intensificou para -0,43%", disse.

Na ocasião, tomate (-24,49%), batata inglesa (-9,11%), e verduras e hortaliças (-6,53%) tiveram significativas reduções nos preços. "Alimentação no domicílio, que caiu pelo quinto mês consecutivo", afirmou Pedro Kislanov. Outro fator que contribuiu para a deflação foram os preços dos eletrodomésticos e equipamentos, com redução de -2,26%. Assim, o item artigos de residência (-0,76%) contribuiu com -0,03 pontos percentuais no índice do mês.

Outro grupo que apresentou deflação foi comunicação, com -0,01%. Já a energia elétrica, que tem grande peso no item habitação e tinha aumentado 3,85% em agosto, por conta da mudança da bandeira de amarela para vermelha patamar 1, permaneceu estável em setembro. Transportes também demonstrou estabilidade, com aumento nos combustíveis de 0,12%, puxado pelas altas no óleo diesel (2,56%) e etanol (0,46%), indo em sentido contrário à ligeira queda na gasolina (0,04%).

Fonte

por Diego Garcia | Folhapress

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Justiça
Moro anuncia inauguração de canal para receber denúncias contra a corrupção
Moro anuncia inauguração de canal para receber denúncias contra a corrupção
VISUALIZAR
Policial
CIPPA realiza prisão por tráfico de drogas em Porto Seguro
CIPPA realiza prisão por tráfico de drogas em Porto Seguro
VISUALIZAR
Política
Eunápolis: Milho e mandioca na merenda, escolas sucateadas e ônibus escolares em péssimas...
Eunápolis: Milho e mandioca na merenda, escolas sucateadas e ônibus escolares em péssimas condições
VISUALIZAR
Economia
Venha para a Móveis Soares e aproveite a mega promoção de verão
Venha para a Móveis Soares e aproveite a mega promoção de verão
VISUALIZAR
Política
Itagimirim: Maelson Gomes surge forte e com boa aceitação popular como pré candidato a...
Itagimirim:  Maelson Gomes surge forte e com boa aceitação popular como pré candidato a vereador
VISUALIZAR
Política
O povo chama e Cordélia Torres atende; Pré candidata a prefeita segue caminhando e...
O povo chama e Cordélia Torres atende; Pré candidata a prefeita segue caminhando e conversando com a população
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )