Futucando Notícias

Coronavírus pode nunca desaparecer e virar endêmico: entenda como seria

A declaração aconteceu depois que a equipe da OMS foi questionada sobre a previsão de vacina contra o coronavírus
Coronavírus pode nunca desaparecer e virar endêmico: entenda como seria
Reprodução

Coronavírus pode nunca desaparecer e virar endêmico: entenda como seria

Vix

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existe a possibilidade de o novo coronavírus (Sars-Cov-2) se tornar um vírus endêmico, assim como a doença desencadeada por ele, a COVID-19. Mas o que significa isso?

Coronavírus e COVID-19 podem se tornar endêmicos

Bruna Prado / Correspondente/gettyimages

© Bruna Prado / Correspondente/gettyimages Bruna Prado / Correspondente/gettyimages

Durante coletiva de imprensa na última quarta-feira (13), o diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde, Michael Ryan, falou sobre a possibilidade de o novo coronavírus se tornar um vírus endêmico no planeta.

A declaração aconteceu depois que a equipe da OMS foi questionada sobre a previsão de vacina contra o coronavírus e quando a atual pandemia de COVID-19 vai acabar.

Reproduação/World Health Organization (WHO)© Reproduação/World Health Organization (WHO) Reproduação/World Health Organization (WHO)

Segundo Ryan, fazer este tipo de previsão é difícil no momento, mas um dos cenários estudados é de que o vírus nunca desapareça e se torne endêmico.

“É importante colocar sobre a mesa que este vírus se torne outro vírus endêmico. Talvez ele nunca vá embora. O HIV nunca desapareceu. Encontramos as terapias, encontramos formas de nos prevenir [contra o HIV] e as pessoas não têm mais o mesmo medo como elas tinham antes. Não estou comparando as duas doenças, mas acho que é importante ser realista. Não acho que ninguém consegue projetar quando essa doença vai desaparecer”, disse Ryan.

Doença endêmica: o que é?

Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages

© Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages

Pela definição do manual “Endemias e epidemias”, publicada pela Universidade Federal de Minas Gerais, o termo “endemia” é usado para designar doenças que se manifestam de maneira relativamente constante, dentro do número esperado de casos, com variações sazonais esperadas no número de casos e em uma localização ou população específicas.

É o caso, por exemplo, da dengue, febre amarela e o próprio HIV, conforme citado pela OMS.

Isso significa que, caso o novo coronavírus se torne endêmico, ele será uma doença prevalente na sociedade ou em determinados lugares e populações, não necessariamente com alto número de casos, porém constante. Esta possibilidade torna a necessidade de uma vacina ainda mais urgente.

Endemia x epidemia

Tomohiro Ohsumi/Getty Images

© Tomohiro Ohsumi/Getty Images Tomohiro Ohsumi/Getty Images

A endemia é diferente da epidemia. Doenças epidêmicas são assim denominadas quando há um aumento acima da média de sua ocorrência.

Por exemplo: casos de dengue costumam aumentar durante o período chuvoso no Brasil e isso é esperado pelos órgãos de saúde do país. Afinal, a dengue é uma doença endêmica do Brasil. Entretanto, a dengue torna-se epidêmica em algumas localidades quando há um aumento de casos acima da média no número tradicional.

Para conseguir diferenciar um quadro epidêmico de um endêmico, é preciso analisar os dados sobre a condição de saúde da população, saber se houve variação do número de doentes e todo um conjunto de estudos e cálculos para chegar à conclusão.

Fatores que levam a uma endemia

Panorama Images / Shutterstock

© Panorama Images / Shutterstock Panorama Images / Shutterstock

O que leva uma doença a se tornar endêmica ou mesmo epidêmica é um conjunto de fatores econômicos, culturais, ecológicos, psicossociais e biológicos:

  • Determinantes econômicos: miséria, privações resultando em habitações precárias, falta de saneamento básico e de água tratada e ocupação do território de forma desordenada.
  • Determinantes culturais: hábito de defecar próximo de mananciais, hábitos alimentares de risco como ingestão de peixe cru ou ostras.
  • Determinantes ecológicos: poluição atmosférica, condições climáticas e ambientais favoráveis à proliferação de vetores.
  • Determinantes psicossociais: estresse, uso de drogas, ausência de atividades e locais para lazer.
  • Determinantes biológicos: indivíduos suscetíveis, mutação do agente infeccioso, transmissibilidade do agente.

Esses fatores determinantes também variam de acordo com as as características do agente que causa a doença. No caso do SARS-CoV-2, que tem transmissão via contato direto (principalmente pelas secreções respiratórias), a doença é favorecida por locais que apresentam precárias condições de habitação e saneamento, além de aglomeração.

A publicação da UFMG ainda destaca que uma condição imprescindível para que uma epidemia ou endemia aconteça é a presença significativa de indivíduos suscetíveis ao agente causador da doença: ou seja, pessoas com o organismo não imune ao agente causador da moléstia.

OUVIR NOTÍCIA

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existe a possibilidade de o novo coronavírus (Sars-Cov-2) se tornar um vírus endêmico, assim como a doença desencadeada por ele, a COVID-19. Mas o que significa isso?

Coronavírus e COVID-19 podem se tornar endêmicos

Bruna Prado / Correspondente/gettyimages

© Bruna Prado / Correspondente/gettyimages Bruna Prado / Correspondente/gettyimages

Durante coletiva de imprensa na última quarta-feira (13), o diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde, Michael Ryan, falou sobre a possibilidade de o novo coronavírus se tornar um vírus endêmico no planeta.

A declaração aconteceu depois que a equipe da OMS foi questionada sobre a previsão de vacina contra o coronavírus e quando a atual pandemia de COVID-19 vai acabar.

Reproduação/World Health Organization (WHO)© Reproduação/World Health Organization (WHO) Reproduação/World Health Organization (WHO)

Segundo Ryan, fazer este tipo de previsão é difícil no momento, mas um dos cenários estudados é de que o vírus nunca desapareça e se torne endêmico.

“É importante colocar sobre a mesa que este vírus se torne outro vírus endêmico. Talvez ele nunca vá embora. O HIV nunca desapareceu. Encontramos as terapias, encontramos formas de nos prevenir [contra o HIV] e as pessoas não têm mais o mesmo medo como elas tinham antes. Não estou comparando as duas doenças, mas acho que é importante ser realista. Não acho que ninguém consegue projetar quando essa doença vai desaparecer”, disse Ryan.

Doença endêmica: o que é?

Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages

© Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages

Pela definição do manual “Endemias e epidemias”, publicada pela Universidade Federal de Minas Gerais, o termo “endemia” é usado para designar doenças que se manifestam de maneira relativamente constante, dentro do número esperado de casos, com variações sazonais esperadas no número de casos e em uma localização ou população específicas.

É o caso, por exemplo, da dengue, febre amarela e o próprio HIV, conforme citado pela OMS.

Isso significa que, caso o novo coronavírus se torne endêmico, ele será uma doença prevalente na sociedade ou em determinados lugares e populações, não necessariamente com alto número de casos, porém constante. Esta possibilidade torna a necessidade de uma vacina ainda mais urgente.

Endemia x epidemia

Tomohiro Ohsumi/Getty Images

© Tomohiro Ohsumi/Getty Images Tomohiro Ohsumi/Getty Images

A endemia é diferente da epidemia. Doenças epidêmicas são assim denominadas quando há um aumento acima da média de sua ocorrência.

Por exemplo: casos de dengue costumam aumentar durante o período chuvoso no Brasil e isso é esperado pelos órgãos de saúde do país. Afinal, a dengue é uma doença endêmica do Brasil. Entretanto, a dengue torna-se epidêmica em algumas localidades quando há um aumento de casos acima da média no número tradicional.

Para conseguir diferenciar um quadro epidêmico de um endêmico, é preciso analisar os dados sobre a condição de saúde da população, saber se houve variação do número de doentes e todo um conjunto de estudos e cálculos para chegar à conclusão.

Fatores que levam a uma endemia

Panorama Images / Shutterstock

© Panorama Images / Shutterstock Panorama Images / Shutterstock

O que leva uma doença a se tornar endêmica ou mesmo epidêmica é um conjunto de fatores econômicos, culturais, ecológicos, psicossociais e biológicos:

  • Determinantes econômicos: miséria, privações resultando em habitações precárias, falta de saneamento básico e de água tratada e ocupação do território de forma desordenada.
  • Determinantes culturais: hábito de defecar próximo de mananciais, hábitos alimentares de risco como ingestão de peixe cru ou ostras.
  • Determinantes ecológicos: poluição atmosférica, condições climáticas e ambientais favoráveis à proliferação de vetores.
  • Determinantes psicossociais: estresse, uso de drogas, ausência de atividades e locais para lazer.
  • Determinantes biológicos: indivíduos suscetíveis, mutação do agente infeccioso, transmissibilidade do agente.

Esses fatores determinantes também variam de acordo com as as características do agente que causa a doença. No caso do SARS-CoV-2, que tem transmissão via contato direto (principalmente pelas secreções respiratórias), a doença é favorecida por locais que apresentam precárias condições de habitação e saneamento, além de aglomeração.

A publicação da UFMG ainda destaca que uma condição imprescindível para que uma epidemia ou endemia aconteça é a presença significativa de indivíduos suscetíveis ao agente causador da doença: ou seja, pessoas com o organismo não imune ao agente causador da moléstia.

Fonte

Vix

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Covid-19
Cordélia sugere: Governador utiliza a estrutura do Hospital regional, a pandemia vai passar e...
Cordélia sugere: Governador utiliza a estrutura do Hospital regional, a pandemia vai passar e os benefícios ficarão lá
VISUALIZAR
Covid-19
Eunápolis registra 2º óbito por coronavírus e casos chegam a 125; Toque de recolher...
Eunápolis registra 2º óbito por coronavírus e casos chegam a 125; Toque de recolher continua valendo das 20:00 às 05:00
VISUALIZAR
Covid-19
Senado aprova uso compulsório de leitos de UTI da rede privada no combate ao COVID-19
Senado aprova uso compulsório de leitos de UTI da rede privada no combate ao COVID-19
VISUALIZAR
Covid-19
Coronavírus: como o que sabemos sobre a covid-19 mudou radicalmente em poucas semanas
Coronavírus: como o que sabemos sobre a covid-19 mudou radicalmente em poucas semanas
VISUALIZAR
Covid-19
Eunápolis: Por determinação judicial, toque de recolher volta a vigorar das 20:00 às 05:00
Eunápolis: Por determinação judicial, toque de recolher volta a vigorar das 20:00 às 05:00
VISUALIZAR
Covid-19
Primeiro estudo nacional de coronavírus estima número de casos sete vezes maior no Brasil
Primeiro estudo nacional de coronavírus estima número de casos sete vezes maior no Brasil
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )