Futucando Notícias

Câmara aprova projeto que facilita divórcio a vítima de violência doméstica

o juiz e a autoridade policial deverão informar a vítima sobre eventual ajuizamento de pedidos de separação
Câmara aprova projeto que facilita divórcio a vítima de violência doméstica

Câmara aprova projeto que facilita divórcio a vítima de violência doméstica

Com informações da Agência Câmara

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje proposta que altera a Lei Maria da Penha para facilitar o processo de separação das vítimas de violência doméstica. Segundo o texto, o juiz responsável pela ação de violência doméstica também poderá decretar o divórcio ou a dissolução da união estável a pedido da vítima. A matéria agora segue para sanção presidencial. Os deputados aprovaram nesta quinta-feira as alterações do Senado ao projeto de lei 510/19 do deputado Luiz Lima (PSL-RJ).

A proposta também garante às vítimas de violência o direito à assistência jurídica. Caso a situação de violência doméstica comece após o pedido de divórcio ou dissolução da união estável, a ação terá preferência no juízo onde estiver em tramitação. Prioridade O texto altera o Código de Processo Civil para dar prioridade à tramitação das ações em que a parte seja vítima de violência doméstica em toda a Justiça Cível. A mudança foi incluída no Código de Processo Civil e vale para as ações de separação e para pedidos de reparação. Para o autor do projeto, facilitar o divórcio das vítimas de violência é um processo simples, mas muito relevante para as famílias e para garantir que a a violência não se repita.

A relatora, deputada Erika Kokay (PT-DF), destacou a importância do projeto para que o juiz responsável pela ação de violência doméstica possa decretar a separação para "desconstruir os vínculos que provocaram muito sofrimento na mulher, nas crianças e no conjunto da sociedade". O texto aprovado também determina que o juiz e a autoridade policial deverão informar a vítima sobre eventual ajuizamento de pedidos de separação. E, se for o caso, o juiz tem 48 horas para encaminhá-la às defensorias públicas para que solicite a separação 

OUVIR NOTÍCIA

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje proposta que altera a Lei Maria da Penha para facilitar o processo de separação das vítimas de violência doméstica. Segundo o texto, o juiz responsável pela ação de violência doméstica também poderá decretar o divórcio ou a dissolução da união estável a pedido da vítima. A matéria agora segue para sanção presidencial. Os deputados aprovaram nesta quinta-feira as alterações do Senado ao projeto de lei 510/19 do deputado Luiz Lima (PSL-RJ).

A proposta também garante às vítimas de violência o direito à assistência jurídica. Caso a situação de violência doméstica comece após o pedido de divórcio ou dissolução da união estável, a ação terá preferência no juízo onde estiver em tramitação. Prioridade O texto altera o Código de Processo Civil para dar prioridade à tramitação das ações em que a parte seja vítima de violência doméstica em toda a Justiça Cível. A mudança foi incluída no Código de Processo Civil e vale para as ações de separação e para pedidos de reparação. Para o autor do projeto, facilitar o divórcio das vítimas de violência é um processo simples, mas muito relevante para as famílias e para garantir que a a violência não se repita.

A relatora, deputada Erika Kokay (PT-DF), destacou a importância do projeto para que o juiz responsável pela ação de violência doméstica possa decretar a separação para "desconstruir os vínculos que provocaram muito sofrimento na mulher, nas crianças e no conjunto da sociedade". O texto aprovado também determina que o juiz e a autoridade policial deverão informar a vítima sobre eventual ajuizamento de pedidos de separação. E, se for o caso, o juiz tem 48 horas para encaminhá-la às defensorias públicas para que solicite a separação 

Fonte

Com informações da Agência Câmara

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Economia
Corte de energia elétrica está suspenso por três meses
Corte de energia elétrica está suspenso por três meses
VISUALIZAR
Saúde
Justiça impede Embasa de suspender fornecimento de água por 90 dias
Justiça impede Embasa de suspender fornecimento de água por 90 dias
VISUALIZAR
Policial
Eunápolis: Corpo de homem é encontrado sem a cabeça
Eunápolis: Corpo de homem é encontrado sem a cabeça
VISUALIZAR
Saúde
Pesquisadores brasileiros desenvolvem teste rápido 50% mais barato para Covid-19
Pesquisadores brasileiros desenvolvem teste rápido 50% mais barato para Covid-19
VISUALIZAR
Saúde
Covid-19 é três vezes menos letal no Brasil do que na Itália
Covid-19 é três vezes menos letal no Brasil do que na Itália
VISUALIZAR
Economia
Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhadores informais (MEI)
Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhadores informais (MEI)
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )