DestaquePolítica

Eunápolis: MPF pede afastamento definitivo de Robério Oliveira; Pedrão foi cancelado

O cancelamento da Festa do Pedrão, com a justificativa da paralisação dos caminhoneiros, na segunda quinzena de maio, e até do mau tempo, além da demora em lançar a pré-candidatura da filha do prefeito de Eunápolis, Larissa Oliveira, revelam um cenário: a maré não anda mesmo boa para Robério Oliveira (PSD) e seu grupo político.

Tempos atrás, o prefeito de Eunápolis era tido como sortudo, porque nada conseguia lhe atingir ou que pudesse afetar sua imagem política. Nem mesmo as condenações de superfaturamentos em contratações para o Pedrão, por pedaladas fiscais no orçamento para proveito próprio, abastecimento de trio elétrico com dinheiro da saúde, gastos fenomenais em revistas para promover sua imagem ou o afastamento do cargo em 2012.

O Brasil vive um novo momento, Eunápolis já não aguenta mais:

Nos últimos anos a votação de Robério estagnou, apesar do crescimento do eleitorado de Eunápolis. Hoje, a rejeição ao prefeito é imensa e salta aos olhos. Garante o vereador Jota Batista (PSC), que teve acesso a uma pesquisa qualitativa, encomendada por um colega de mandato, “que a rejeição a Robério é 79,1%”.

É natural que, aquele que transfere votos transfere também a rejeição. Por isso é cada vez mais provável que sua candidata adquira uma espécie de visgo e que sua imagem, precocemente, seja também contaminada com altos percentuais de rejeição popular.

Prova disso é que alguns vereadores da base aliada já estão buscando se aproximar de outros pré-candidatos a deputado estadual, como Robinho, Pedro Vailant e da própria Cordélia Torres.

Seria a maior derrota de Robério Oliveira contabilizar para a filha, às 19 horas do dia 7 de outubro próximo, um total de menos votos que os porventura obtidos por Cordélia Torres. Não. O outrora destemido Robério Oliveira não desejaria impor à sua única filha, mais esse constrangimento, chega de tanta vergonha.

Segundo o mesmo Jota Batista, que cunhou para o prefeito o título de Imperador, o mandato de Robério Oliveira agoniza. “A “Operação Fraternos” foi um revés jurídico-político-administrativo da Turma da Vassoura”. Avaliou.

E quando uma parede perde o prumo, não há como corrigir voltando ao nível no meio do caminho. Precisa derrubar e começar do alicerce.

O pior é que Robério Oliveira e sua turma não têm mais tempo para recomeçar. É que pela frente ainda tem o pedido de afastamento definitivo do mandato apresentado pelo Ministério Público Federal, em desdobramento da “Operação Fraternos” e que está concluso para julgamento, ou seja, já foi para o gabinete do julgador e que pode determinar o fim do mandato do prefeito.

Veja a Nota sobre o cancelamento da Festa do Pedrão/2018.

Fonte: blogdarosemarie.com

Tags

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.