Destaque

Perigo: Pornografia está formando geração de homens violentos, avalia especialista

há casos de crianças de 7 a 12 anos de idade diagnosticadas com compulsão por pornografia.

A socióloga e professora americana Gail Dines apontou que a pornografia, levando em conta os tempos digitais vividos atualmente, deve ser vista como uma questão de saúde pública, tendo em vista a influência deste tipo de conteúdo em crianças e adolescentes, com retratação de “brutalidade” e violência.

Durante a palestra no 3º Fórum Exploração Sexual Infantil, nesta quarta-feira (15), Gail Dines também falou da relação entre casos de abuso ou exploração sexual infantil e a forma como a pornografia molda a cultura. Segundo a professora, isto acontece devido a maneira como o pornô retrata como aceitável que mulheres e crianças vendam seus corpos e porque dessensibiliza homens para com a dor sofrida por elas durante o ato sexual.

“Um menino de 11 anos que pesquisa o termo ‘pornografia’ no Google acha que vai ver peitos, vaginas e mulheres nuas. Ele não imagina que verá esse tipo de brutalidade”, disse Dines, que há mais de 25 anos estuda a indústria pornográfica.

Na ocasião, a especialista disse que entre os conteúdos mais recorrentes em produções pornográficas, aparecem mulheres engasgando durante a prática de sexo oral, ejaculação no rosto e sexo anal praticado com brutalidade.

De acordo com a Folha de S. Paulo, um dos argumentos explicitados pela especialista foi a facilidade de crianças e adolescentes encontrarem conteúdo pornográfico na internet. Ela ainda disse que a pornografia contabiliza mais acessos do que redes sociais como Instagram e Snapchap.

A professora ainda mencionou casos de crianças de 7 a 12 anos de idade diagnosticadas com compulsão por pornografia. “É a maior fonte de educação sexual para meninos do mundo inteiro que se masturbam pensando em violência sexual. O trauma faz parte do negócio pornô, e nós temos uma geração inteira de meninos que cresceram com esse tipo de conteúdo”.

Fonte: BN
Tags

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.