DestaqueEconomiaPolítica

Bolsonaro volta a criticar metodologia do IBGE para medir desemprego no país

Antes, ele disse que o método é uma farsa. Agora, avaliou que ele não corresponde à realidade.

Ainda em Israel, na noite dessa segunda-feira (2), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a criticar a metodologia adotada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para medir a taxa de desemprego no Brasil. Antes, ele disse que o método é uma farsa. Agora, avaliou que ele não corresponde à realidade.

“Como é feita hoje em dia a taxa? Leva-se em conta quem está procurando emprego, só quem está procurando emprego. Quem não procura emprego, não é tido como desempregado. Quem está, por exemplo, recebendo Bolsa Família, é tido como não empregado. Quem recebe auxílio-reclusão também está tido como empregado. Então, quando há uma pequena melhora na questão do emprego no Brasil, essas pessoas que não estavam procurando emprego, procuram, e, quando procuram e não acham, aumenta a taxa de desemprego. É uma coisa que não mede a realidade. Parecem índices que são feitos para enganar a população”, criticou o presidente em entrevista à TV Record.

Para Bolsonaro, para chegar à metodologia correta, basta ver os dados bancários e os dados da Secretaria de Trabalho para verificar quantos empregos o país gera e perde por mês. “É muito simples”, ressaltou.

Segundo informações do jornal O Globo, o IBGE se defendeu ao dizer que a pesquisa de desemprego segue padrões internacionais.

Em balanço divulgado na última sexta (29), o instituto aponta que a taxa de desemprego subiu para 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 13,1 milhões de pessoas. De setembro a novembro, a taxa era de 11,6% e o desemprego atingiu 12,2 milhões de brasileiros.

Fonte: BN
Tags

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.