Juíza do TRT-BA receberá ajuda de custo de R$ 28 mil por se mudar de Irecê para Eunapólis

6 primeira leitura
0

Uma juíza do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) receberá ajuda de custo por um mês, no valor referente ao salário, de R$ 28.380, por se mudar de Irecê para Eunapólis, no sul do estado. A decisão de pagar a ajuda de custo foi publicada no Diário da Justiça do TRT-BA desta quarta-feira (12). Com a ajuda de custo, somente no mês de agosto, a referida magistrada recebeu R$ 62,7 mil. O valor compreende o pagamento do auxílio-moradia como vantagens pessoais no valor de R$ 4,3 mil, subsídio de R$ 28,9 mil e R$ 1 mil de indenizações. O valor líquido recebido pela juíza foi de R$ 51,4 mil.

Em nota ao Bahia Notícias, o TRT defendeu a legalidade do pagamento. “A juíza tendo em vista remoção da Vara do Trabalho de Irecê para a Vara do Trabalho de Eunápolis faz jus a Ajuda de Custo, em valor equivalente a uma remuneração. A Coordenadoria Administrativa de Pessoas manifestou-se indicando a legislação que rege a matéria, bem como informando que a magistrada não percebeu valores a título de ajuda de custo nos últimos dois anos. A Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LC 35/79) instituiu a ajuda de custo para cobrir despesas de transporte e mudança de magistrados, ou para moradia, onde não houvesse residência oficial disponível”.

O TRT-BA, no despacho, autoriza o pagamento da ajuda de custo por atender os pressupostos previstos no Ato TRT5 554/2012. A norma afirma que a ajuda de custo se destina a “compensar despesas com instalação de magistrados e servidores do TRT que, no interesse da Administração, passem a ter exercício em outra localidade, com mudança de domicílio em caráter permanente”. A regra  também prevê pagamento de despesas de transporte pessoal do magistrado, servidor e de seus dependentes, além do transporte de mobiliário, bagagem e automóvel.  Ainda terão direito a ajuda de custo quando forem removidos por ofício, redistribuídos ou forem nomeados para cargo em comissão ou designados para exercício de função comissionada.  O Ato proíbe o duplo pagamento de ajuda de custo, a qualquer tempo, ao cônjuge ou ao companheiro que vier a ter exercício em órgão ou entidade da administração pública na mesma sede para a qual foi deslocado o magistrado ou o servidor. O benefício só pode ser pago uma vez a cada dois anos.

O valor da ajuda de custo será calculado com base na remuneração bruta percebida pelo magistrado ou servidor no mês em que ocorrer o deslocamento para a nova sede e não poderá exceder à importância relativa a três meses de remuneração. A ajuda de custo corresponderá a uma remuneração, caso o magistrado ou servidor possua até um dependente; a duas remunerações, caso possua dois dependentes; ou a três remunerações, se possuir três ou mais dependentes. Se entende como dependentes o cônjuge, os filhos e enteados menores de 21 anos que viva sob sua guarda e sustento, estudantes de nível superior menor de 24 anos, que não exerçam atividades remuneradas, além de pais que precisam de ajuda dos filhos. O ato entrou em vigor em 2012, quando o TRT era presidido pela desembargadora Vânia Chaves.

O pagamento da ajuda de custo tem aval do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), pois a remoção de magistrados sempre atende ao interesse público, uma vez que tem por objetivo preencher um posto vago, e não apenas ao interesse particular de quem solicita a mudança.

Fonte: BN
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Destaque

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Detran recorre de decisão que proíbe apreensão de veículos com IPVA atrasado

O Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA) acionou a Procuradoria Geral do E…