Inquérito aponta canibalismo no caso de casal em Camaçari: ‘Vísceras não encontradas’

4 primeira leitura
0

A 4° Delegacia de Homicídios de Camaçari concluiu o inquérito que investigava o caso do casal morto e enterrado no quintal da própria casa. A delegada responsável pelo caso, Maria Tereza Santos, classificou o crime como “uma barbárie com as vítimas”. Ao G1, a delegada, declarou que as provas presentes no inquérito levantam a hipótese de que, além de diversos outros crimes, o casal morto pode ter sido vítima de canibalismo. “Tudo leva a crer que os acusados praticaram canibalismo. As vísceras e partes de órgãos não foram encontradas. Não há indícios de onde estejam. Eles chegaram a separar os tecidos moles dos ossos das vítimas”, declarou a Maria Tereza. Daniel Neves Santos Filho e Carlos Alberto Neres Júnior, na companhia de três adolescentes, invadiram a casa de Juvenal Amaral Neto e Cristina Amaral a procura da quantia de R$ 70 mil que o casal teriam recebido. Sem conseguir o dinheiro, os acusados mataram Juvenal e estupraram Cristina antes de ser morta, além dos indícios de terem comidos os órgãos do casal. Os dois adultos foram presos e três adolescentes, de 13, 14 e 16 anos, foram detidos suspeitos do duplo homicídio após denúncia anônima. Daniel e Carlos, na cadeia, foram filmados e obrigados a praticar sexo entre si por outros colegas de cela (veja aqui). A polícia apura o vídeo gravado dentro da delegacia. O inquérito do caso ainda aponta que Cristina Amaral, de 43 anos, foi a vítima mais torturada. Ela foi queimada e dilacerada. “Houve abuso sexual, houve a tortura. O braço dela foi amputado com vida, isso o perito afirmou. A perícia não afirma [a prática de canibalismo], mas não foram encontradas partes da vítima. Eles arrancaram o ovário, as trompas. Não sabem onde estão”. O marido dela, Juvenal Amaral Neto, de 57 anos, também foi vítima de barbárie. “O homem também foi torturado. As costas foram cortadas e fatiadas. Cortaram o homem com faca de ferro, cortaram vivo”, conta a delegada sobre o episódio de terror apontado pelo inquérito. Os acusados contaram, em interrogatório, que os suspeitos contaram que esganaram a mulher. Porém, o inquérito aponta que ela foi decapitada. Sobre os depoimentos, ela aponta o perfil dos assassinos. “Frios. Não reagiram. Não havia preocupação”. Daniel e Carlos Alberto foram indiciados por latrocínio (roubo seguido de morte), estupro, ocultação de cadáver, porte ilegal de arma e corrupção de menores.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Denúncia

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Eunápolis: Corregedoria de Justiça da Bahia confirma denúncias de unificações irregulares favorecendo a Veracel e abre Sindicância contra Cartório de Registros de Imóveis

O Futucando notícias vem revelando absurdos cometidos pela empresa Veracel que em sua ganâ…