Cuidado: conheça o “Loapi”, o vírus de celular que pode arruinar seu aparelho

6 primeira leitura
0

O novo invasor de celular que circula pela internet e assusta usuários ao redor do mundo chama-se Loapi.

Loapi é um vírus digital multitarefas, que infesta dispositivos Android e causa impacto em várias funções do telefone.

O vírus foi descoberto pela empresa de segurança cibernética Kaspersky Lab. Segundo a companhia, os países da América Latina onde há os maiores índices de aparelhos contaminados são México, Brasil, Chile, Panamá e Peru.

O México é o quarto país mais afetado do mundo pelo malware que também se espalhou nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

O Loapi tem um sistema complexo e se espalha por meio de anúncios que fingem ser antivírus ou aplicativos com conteúdo adulto.

Uma vez instalado, ele solicita direitos de administrador para assumir o controle do dispositivo e, assim, poder instalar módulos que afetem diferentes funções do telefone.

As ações mal-intencionadas que este vírus pode executar são:

  • Permitir a aceitação de publicidade invasiva;
  • Controlar as mensagens de texto;
  • Assinar serviços de pagamento via SMS sem deixar rastro;
  • Permitir ataques DDoS, que inundam um site com o tráfego até que ele não possa mais receber visitas;
  • Usar recursos do telefone, como energia e conexão à internet, para fazer transações com a criptomoeda monero;

Super poderes

O malware é tão poderoso que ainda consegue eliminar seus inimigos.

Se você encontrar um aplicativo dedicado a apagar esse malware, ele lhe enviará mensagens falsas garantindo que o aplicativo tem um software malicioso e pedirá que você o exclua. Se você se recusar, o Loapi aumentará o número de avisos até que você termine por excluí-lo.

Nikita Buchka, especialista em segurança da Kaspersky Lab, diz que o vírus consegue se adaptar a qualquer situação.

“O Loapi incorporou quase todas as características possíveis em seu design para poder usá-las em diferentes tipos de atividades maliciosas com a intenção de ganhar dinheiro ilegal”.

Durante testes para detectar a capacidade de ataque deste vírus, a Kaspersky Lab descobriu que ele também gera uma carga de trabalho tão grande que o aparelho superaquece, o que provoca deformações na bateria.

Como se proteger

Quando o telefone está danificado, é muito difícil eliminar o vírus, adverte a empresa de segurança.

O Loapi tem a capacidade de se proteger e, assim que tentar recuperar os direitos de administrador do terminal, o malware bloqueará a tela do dispositivo e fechará a janela.

A recomendação é tomar as seguintes ações antes que seja tarde demais:

  • Desativar a opção que permite a instalação automática de aplicativos;
  • Certificar-se de ter a versão mais recente do seu sistema operacional. As empresas os aperfeiçoam para reduzir as vulnerabilidades das quais o Loapi se beneficia;
  • Se o seu telefone já estiver comprometido, a empresa recomenda instalar um antivírus de uma marca reconhecida que te ofereça garantias.
Fonte: G1
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Denúncia

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Lei que coloca motorista embriagado na prisão por até oito anos entra em vigor

Entrou em vigor, a partir de sexta (20), a Lei 13.546/17 que prevê a prisão de 5  a 8 anos…