Associação 2 de julho pede justiça e diz que a Veracel tem medo de perícia; Liminar pra destruir casas e plantações foi concedida por Desembargadora do TJ-BA

12 primeira leitura
0

Moradores do acampamento 2 de Julho em Eunápolis fizeram uma manifestação pacífica na última sexta-feira (22), pedindo a atenção da Desembargadora Ilona Márcia Reis que concedeu liminar em favor da Veracel determinando a destruição de barracos e plantios. Segundo a líder da associação, Srª Lucidey Vilas Boa, mais conhecida por Lú, o Juiz da 1ª Vara Cível de Eunápolis, Dr. Afrânio de Andrade Filho, foi justo ao determinar que uma perícia seja feita para saber se o acampamento está em áreas da Veracel o que certamente comprovará que não: “É preciso que a justiça seja feita, por isso nos pedimos a Doutora Ilona que suspenda a liminar até que a perícia aconteça, já sofremos 7 liminares autorizando despejos e é muito triste ver tratores passando por cima das roças e destruindo moveis e barracos, só tem trabalhador aqui e a Veracel mente para a justiça, por isso tem medo de uma perícia“, disse a líder do movimento social.

A Associação 2 de Julho tem dois advogados, sendo o Dr. Idercival Nogueira e o Dr. Mario Júnior Amorim que já entraram na justiça com embargos que ainda não foram  apreciados pela Desembargadora Ilona Márcia e entraram também com pedidos de indenizações, anexando ao processo provas de que o acampamento não fica em área da Veracel.

CASO SEMELHANTE:

Outro caso que poderá gerar um escândalo internacional é o dos agricultores Geraldo e Derolino que tentam provar na justiça a posse de Fazendas Boa União e Conjunto São Geraldo, áreas que a Veracel não reconhece e diz ser de sua propriedade com o nome Sítio Esperança, fazenda esta que tem na escritura o confrontante Embaúba, longe das fazendas dos irmãos, sendo uma usina com imensos plantios de cana localizada em Santa Cruz de Cabrália.

Para os irmãos, que fazem parte do mesmo efeito destruidor do mandado de reintegração concedido pela justiça da Bahia,  a multinacional alega que o 2 de Julho e as propriedades defendidas por eles, estariam em uma área unificada pela empresa, sendo de extrema necessidade que aconteça a perícia para que ponha fim às humilhações sofridas desmascarando a Veracel.

“Eu tenho testemunhas que desde os anos 80 acompanharam eu e meu irmão aqui nestas terras, está nos autos e eu tenho a consciência tranquila de que a justiça vai prevalecer, temos na realização da perícia, a certeza de que a justiça vai ser feita, a Veracel quer roubar minhas terras e Deus não vai deixar”, disse Geraldo Pereira, agricultor que já teve plantios e casas destruídas por liminar concedida à Veracel (foto).

O advogado de Geraldo e Derolino, que também representa o 2 de Julho, o Criminalista Dr. Mário Junior, entrou com ações indenizatórias contra a empresa Veracel e vê na perícia a solução para mostrar com quem está a verdade.

Diante das informações prestadas acima pelos envolvidos, seria prudente à Veracel por fim a estas questões permitindo a realização da perícia, pois se não tem nada a temer, o resultado sendo favorável à empresa porá fim às discussões contidas em um processo que já se arrasta há quase 10 anos e segundo noticiado aqui no futucando, ainda não houve a manifestação do Ministério Público, não teria havido audiência conciliatória e as testemunhas arroladas não foram ouvidas em nenhum momento.

Em Decisão Interlocutória proferida pelo Juiz da 1ª Vara Cível de Eunápolis, Dr. Afrânio de Andrade Filho, no dia 9 de abril de 2018, foram considerados novos fatos para revogar as liminares e determinar a perícia,  provas anexadas ao processo chamando a atenção para que se descubra onde de fato é o Sítio Esperança e se houve unificações indevidas de fazendas pela Veracel.

Segundo apurou a reportagem do Futucando, dias depois que foi proferida a Decisão interlocutória, a Veracel teria entrado com recurso no Tribunal de Justiça da Bahia, e a Desembargadora Ilona Reis , não teria mencionado em seu despacho favorável à Veracel, a necessidade da realização da perícia e ainda teria ignorado a necessidade de ouvir o INCRA e INTERBA, conforme Recomendação Conjunta Nº CGJ/CCI – 01/2013 que trata de fraudes fundiárias e ilícitos contra o meio ambiente , determinando a imediata reintegração de posse nos imóveis objetos da ação movida, acatando apenas os argumentos da Veracel, motivo este que está causando um reboliço no acampamento 2 de Julho e nas propriedades dos irmãos Pereira que correm contra o tempo para sensibilizar a Desembargadora Ilona Reis, pedindo urgência na análise das peças processuais evitando as destruições de casas e plantios de mais de 500 famílias, pessoas idosas, deficientes que não tem pra onde ir, e querem a suspensão da liminar até a realização da perícia.

FATO CONTESTADO:

Segundo apurou a nossa reportagem, a Veracel teria unificado 8 fazendas supostamente EXTREMANTES entre sí, incluindo a Sítio Esperança de matrícula nº 5323 que tem como confrontante a Embaúba, porém em vez de dar qualquer outro nome a união dos imóveis rurais, a empresa chamou a soma de todas as áreas registradas em nova matrícula de nº 7629 de Fazenda Sítio Esperança, estranhamente o mesmo nome do contestado Sítio Esperança que está sobrepondo as fazendas de Geraldo e Derolino. Mais estranho ainda é que o confrontante Embaúba desapareceu como confrontante desta nova unificação, o que segundo a opinião de todos os prejudicados, a perícia certamente comprovará a fraude explícita com a inclusão da Sítio Esperança (sozinha) que não se localiza na área afirmada pela Veracel e também verificará a localização do acampamento 2 de Julho.

DESESPERO:

A nossa reportagem ouviu o agricultor Geraldo Pereira dizer que não aguenta mais tanta covardia e só vai sair de suas terras “cortado os pedaços em um balaio”, ouviu alguns moradores do 2 de Julho falarem que não aceitam ver tudo que foi construído com suor e luta ir ao chão por causa do poder financeiro da Veracel que acha que pode fazer tudo contra quem quiser porque tem bilhões de dólares em suas contas.

Vamos continuar acompanhando o desfecho desta batalha judicial e futucando estas notícias.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Destaque
Comentários estão fechados.

Veja Também

Ozonioterapia é reconhecida como tratamento complementar no SUS

O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou o uso de ozonioterapia, em caráter experiment…